PINHEIRO MACHADO

Presidente da câmara nega pedidos de devolução para iluminação pública e ginásio

Bem em frente ao prédio do Legislativo, há uma lâmpada que fica apagada durante a noite

Bem em frente ao prédio do Legislativo, há uma lâmpada que fica apagada durante a noite Foto: J. André/TP

Os vereadores Fábio Dias (PDT) e Edison Molina (PSDB) solicitaram ao presidente da câmara de vereadores de Pinheiro Machado, Geovane Teixeira (PSDB), para que ele devolva recursos do duodécimo do Legislativo ao Executivo.

Fábio propôs a devolução nos mesmos moldes do ano passado, quando a câmara retornou aos cofres da prefeitura pouco mais de R$ 6 mil para compra de lâmpadas e relés para reparos na iluminação pública da cidade, que segundo o vereador, está em péssimas condições novamente e a prefeitura alega não ter recursos para fazer a devida manutenção. “Proponho R$ 5 mil. Somos cobrados pela comunidade”, argumentou Fábio.

Já o vereador Molina assinalou que em relação à iluminação, os seus pedidos são feitos diretamente na Promotoria e por conta disso estão sendo atendidos. Para ele, o cidadão paga uma taxa e tem direito a receber o serviço, caso contrário terá que ter o dinheiro devolvido. Por outro lado, Molina pediu a presidência para que devolva recursos da câmara no sentido de se fazer uma reforma no ginásio municipal.

Em ambos os casos, o presidente Geovane Teixeira foi taxativo em negar os pedidos. O vereador, primeiro avalia que os recursos da câmara estão contados, pois este é o último ano de legislatura e ao fim é necessário mandar embora os servidores e fazer as rescisões. Por outro lado, queixou-se da postura do Executivo, que conforme Geovane, não retribuiu a gentileza feita no ano passado. “Pedi um pedreiro para a reforma da câmara e me foi negado. Agora preciso consertar algumas goteiras no telhado do prédio, pedi ajuda do Executivo e até agora não houve resposta. Se for contratar uma empresa irão cobrar R$ 5 mil para retirar meia dúzia de goteiras. Não vou devolver recursos, pois depois fazem politicagem em cima. Talvez depois das eleições possamos avaliar”, disse.

O vereador Rogério Moura (PSB), disse que havia pensado em pedir devolução para compra de bueiros, mas em função da posição do presidente, acabou desistindo.

Para o vereador Paulinho Alves (PP) não são necessários recursos da câmara para resolver problemas na iluminação pública. Citando exemplos, o vereador – que é técnico eletricista de profissão, destaca que há casos que os problemas não estão nas lâmpadas, fotocélulas ou relés e sim na fiação, bastando apenas revisar e ter uma política de gestão e planejamento.

Comentários do Facebook